fbpx

GLEICY SOUZA: LUGAR DE MULHER É ONDE ELA QUISER

Elas são lindas e talentosas, se apresentam sempre com looks descolados, e já dividiram o palco com muita gente famosa do mundo sertanejo. A Banda DONAS DO BAR, que já tem cds gravados com composições próprias, está cada dia alçando novos horizontes, e se destacando por onde passam.

A baixista GLEICY SOUZA conversou com a gente sobre sua trajetória e os grandes desafios que as mulheres ainda enfrentam no meio musical.

TMBX: Conte-nos um pouco sobre sua história, onde nasceu, onde mora.
GLEICY: Sou Gleicy Souza, tenho 19 anos, nasci no sudoeste baiano, na cidade chamada Caetité, e atualmente moro em Vitória da Conquista, Bahia.

TMBX: Como começou sua carreira na música e no contrabaixo?
GLEICY: Comecei na música muito cedo, pois tinha a influência dentro de casa, das minhas irmãs que já cantavam. Comecei a tocar contrabaixo com 13 anos, quando elas montaram uma banda
e não tinha baixista. Então meu pai, com muito esforço, me deu um baixo. Até então eu gostava de música, mas não tocava nenhum instrumento. Entrei em uma escola de música, fiz apenas dois meses de aula por conta da nossa situação financeira; não seria possível mais continuar na escola, e assim comecei a tocar, e a cada dia buscar aprender algo novo. Hoje sou completamente apaixonada pelo contrabaixo.

A Banda Donas do Bar é formada por mim e minhas duas irmãs, então desde o começo estamos juntas. É uma honra trabalhar ao lado delas e de músicos maravilhosos que nos tratam com tanto carinho e respeito.

TMBX: Qual o maior obstáculo que já enfrentou na carreira?
GLEICY: Obstáculos vários. Já começando pelo fato de ser mulher e muitos acharem que mulher não pode tocar na noite. Já chegaram a falar pra eu desistir, pois a música não me levaria a lugar nenhum, e várias outras coisas. Mas graças a Deus está valendo a pena cada esforço.

TMBX: Quais suas maiores influências musicais?
GLEICY: Michael Pipoquinha, Artur Maia, Faísca Bass, Prateado Bass, Júnior Braguinha, Sérgio Groove, Mohini Dey e Ana Karina Sebastião, mulheres que se destacam muito como baixistas. Atualmente tenho várias influências no forró e no sertanejo como Guilherme Santana, Netinho Viana, Kleiton Farney, Anderson Bass etc…

TMBX: Você ainda vê resistência às mulheres musicistas, principalmente no contrabaixo?
GLEICY: Graças a Deus hoje as mulheres estão ocupando um espaço maravilhoso no cenário musical. Ainda que exista preconceito, mas já se vê várias mulheres tocando na noite e sendo aceitas pela sociedade. Não é fácil para nós, mas o lugar de mulher é onde ela quiser. E vamos resistir e lutar pelos nossos direitos, nossos sonhos.

TMBX: Que habilidades um bom músico deve desenvolver?
GLEICY: Em primeiro lugar o músico tem que ter humildade de saber ouvir, de falar, etc.Tocar com coração e dar o seu melhor, se dedicar de verdade ao seu trabalho.

TMBX: Poderia nos contar uma experiência marcante que já teve na carreira?
GLEICY: A experiência marcante foi quando dividi o palco com vários baixistas que admiro.  Foi uma experiência inesquecível!

TMBX: Qual o seu setup?
GLEICY: Amplificador Hartke, Preamp eden, afinador Polytune2 e um equalizer Boss.

 

TMBX: Quais objetivos ainda pretende alcançar?

GLEICY: Ainda tenho vários objetivos a conquistar; ter meu reconhecimento como mulher baixista é o principal.

TMBX: O que acha de iniciativas como a do Toque Mais Baixo, no ensino online do contrabaixo?

GLEICY: Acho muito bom, assim várias pessoas têm a oportunidade de aprender, de aprofundar seus conhecimentos nesse instrumento tão maravilhoso que é o contrabaixo. Parabéns por essa linda iniciativa!

 

Por Vilma Souza

Aluna e Colaboradora do ToqueMaisBaixo

Baixista, criador do ToqueMaisBaixo e empreendedor musical.

Dúvidas? Deixe uma pergunta para o professor!